7.5.07

Bichete - Axis Reverb

Como?
Axis Reverb
Donde?
Sampa - Mackenzie
Quem toca?
Filipe "Kurt" Rizzo - Vocais, guitarra, baixo, samplers, teclados e tudo mais...
Saite?
http://www.axisreverb.kit.net/

E a banda bichete da vez talvez nem seja uma banda. Ou talvez seja. Não sei. Uma banda de um homem só, podemos dizer. Filipe Rizzo (Kurt, para grande maioria), é o cara à frente do Axis Reverb, que traz a sonoridade do pós-punk para os dias atuais.
Estudante de jornalismo do Mackenzie, Kurt falou comigo sobre o seu projeto e mostrou que a citada universidade, ao contrário de que muita gente pensa, não é só pagode, axé e reggae de boteco.

CMZ - Como surgiu a idéia de fazer um projeto solo?

Kurt -
A idéia surgiu após várias tentativas frustradas de montar uma banda "normal". Então depois de um tempo, com ajuda de programas de tablatura e tal eu consegui compor músicas inteiras (baixo, bateria, teclado, guitarra) e assim eu fui construindo um "repertório". Mas mesmo no começo eu compunha e tentava montar uma banda, mas chegou um momento no qual eu desisti disso e resolvi fazer tudo sozinho, uma por ser mais fácil e outra por ser mais controlavel.

CMZ - Quais as principais influências pro Axis?

Kurt -
Basicamente pós-punk (som da década de oitenta, geralmente ligado a cultura punk, só que com mais intelecto e sons mais angulares, baixo mais proeminente, bateria tribal, etc). Bandas nacionais dos anos 80 também foram influencia, como Titãs, Ira!, Legião Urbana. Gosto também do movimento grunge (Pixies, Nirvana), do glam rock (David Bowie, Lou Reed) e disco music (sim, sério mesmo! Tipo Beeges mesmo) e os clássicos que nem Pink Floyd, Mutantes, Beatles...
Mas as influencias mais importantes, as que me levaram a ser uma banda de um homem só são três "bandas" undergrounds americanas. Uma é o Casiotone For The Painfully Alone, uma banda de um homem só também, na qual o cara fazia as músicas com apenas um teclado barato (hoje ele tem uma banda de apoio); Xiu Xiu, que era uma banda de um homem só (hoje ele toca com a prima e mais um baterista) e tem um som bem caracteristico, sônico e um tanto depressivo; e por fim Daniel Johnston, o rei do Lo-Fi e bandas de um homem só, é um artista underground, mas que ganhou um status cult depois que o lider do Nirvana (o Kurt Cobain) se declarou fã dele, o som do Daniel é bem infantil, meio bizarrão, mas é muito sincero (coisa que muita banda hoje em dia não é) e muito profundo, e vale falar que ele sofre de disturbios, já foi internado várias vezes, mas o som é muito bom e ao vivo ele tocava só com um violão ou seu orgão.

Mas além da música em si, tem as influências visuais, literatura Beat, surrealismo, futurismo, dadaísmo (algumas músicas minhas foram compostas cortando palavras e sorteando num saco), o movimento cyberpunk e filmes chineses (eu gosto pra caramba, tem algumas músicas com samplers de falas de alguns filmes).

CMZ - Como é o processo de gravação? é 100% caseiro?

Kurt -
100% caseiro. E é bem simples, eu uso o programa de gravação do som (já voltamos nele), gravo guitarra e baixo, no outro programa que eu uso eu já programo a bateria e o teclado, gravo eles em "wav" e então junto todos no programinha de gravação, que é um que grava por canais (o que facilita muito as coisas, já que vc pode mexer em cada instrumento de cada vez). Ai sempre por fim eu gravo a voz (meio ritual isso hahaha). É um processo bem simples, mas às vezes eu fico meio perfeccionista e a guitarra ou o baixo ou a voz as vezes não ficam certas e então eu regravo.

CMZ - O que você toca, o que você "sampleia", e o que é teclado no som do Axis Reverb?

Kurt -
Eu toco guitarra, baixo e canto. Teve uma vez que eu peguei emprestado um teclado então ai eu toquei teclado e a bateria do teclado (aquela sintetizada). Mas normalmente eu sampleio os teclados e a bateria, em algumas músicas eu sampleei tbm o baixo (porque era um som mais interessante pra música pois era sintetizado e não organico).

CMZ - E pra se apresentar ao vivo, como vai ser?

Kurt -
Playback, basicamente. Eu já tracei um plano pra tocar ao vivo, que consiste em fazer playback do baixo, teclado e bateria, ai no caso eu tocaria guitarra e cantaria. Em algumas músicas não há guitarra então eu só cantaria. É meio chato, eu sei, mas por enquanto é isso. Mas ainda não descartei a possibilidade de ter uma banda mesmo, mas isso só mais pra frente, quem sabe.

CMZ - O que acha do Benzina do Edgar Scandurra?

Kurt -
Sinceramente, ouvi pouco. É de música eletrônica né? Bom, de qualquer modo, o Scandurra é um ótimo guitarrista e eu gosto bastante dele no Ira! (que é uma banda que eu ouvia bastante quando criança junto com Titãs).

CMZ - Como o meio universitário influenciou o Axis Reverb?

Kurt -
Bom, algumas bandas que eu gosto foram formadas no meio universitário de arte. Eu acredito que pro Axis, a maior influencia do meio universitário são algumas aulas, algumas coisas com as quais eu aprendi na faculdade e que me servem de base pra própria divulgação da banda ou pra letras, performances, coisas do tipo. E as universidades deveriam dar mais atenção às bandas formadas em seus campus, fazer mais festivais, coisas do genero. Música é um meio poderoso de comunicação, acredito eu e as faculdades ganhariam muito com isso, tanto como renda como publicidade e ajudaria muito as bandas novatas.

Vídeo: Manchester (Old Radio Song)


4 comentários:

Cíntia Luz disse...

Adoreiiii os temas abordados no blog de vocês...
É isso aí...tem que mostrar mesmo que som alternativo não tá na boca do povo, mas vale muito mais do que muita banda famosa!
Beijos,

Kurt disse...

Óia eu ae!
Pra quem curtiu meu som ae:
www.axisreverb.kit.net

Kurt disse...

aliás, não tinha visto que já tinha o site lá no começo! hahaha valeu galera pelo espaço!

comicchakal disse...

Parabéns pela entrevista, muito interessante! Aê, Kurt, finalmente uma divulgação!
Ass.Bruno Rios